segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Para ti Com Carinho



Quero partilhar com todos vós este video que a minha Amiga Ana Camões fez para mim.
Ana muito obrigada, és uma querida! Gostei muiiiiiiiito até chorei. OBRIGADA beijinhos
Mais uma pica!!

Hoje lá vou eu tomar mais  uma injeção na barriga. Como a última me doeu muito hoje vou cheia de medo! Vou pedir à enfermeira toda a anestesia a que tenho direito. Vai ser bonito! Depois conto como correu.

sábado, 14 de janeiro de 2012

E agora o que faço... estou a dar em doida!

Consegui uma consulta de Plástica no hospital da Prelada. No passado dia 11 fui à consulta. Vim de lá completamente confusa sem saber o que fazer. O Dr. Manuel Maia observou-me e disse-me que não podia fazer o Tram Flap pois não tenho barriga suficiente para o fazer. Disse-me para fazer com o expansor e depois colocar a prótese. Concordei pois o que haveria eu de dizer?
No I.P.O. disseram-me que ia fazer Tram Flap este agora diz-me que não. Não sei o que pensar . Tenho medo de tomar a decisão errada. Tudo o que eu posso dizer é que este observou-me correctamente o médico do I.P.O. apenas viu a cicatriz da mastectomia e mais nada.
Não viu se eu tinha ou não barriga. Não me observou. Como é que um médico pode dizer o que vai fazer sem observar o doente?
O certo é que eu estava convencida que ia fazer o Tram Flap. Agora tenho medo de optar pela cirurgia errada.
Pedi ajuda à minha vizinha que lá trabalha. Ela pediu opinião a uma enfermeira experiente e que me conhece.
A opinião da enfermeira é que eu não tenho barriga para fazer o Tram Flap e o mais provável é que na consulta do pré operatório do I.P.O. cheguem à conclusão que tenham de me fazer a reconstrução por expansor e prótese. Disse-me para eu não olhar para trás pois na Prelada tem lá muito bons cirurgiões plásticos e no I.P.O. está muito atrasado.
Mesmo assim a minha vizinha foi colher outra opinião. Falou com a enfermeira da Plástica. Pediu-lhe opinião e até perguntou se seria possível o médico dar-me uma opinião. A opinião dela foi que eu fizesse a reconstrução na Prelada pois está tudo muito atrasado. Quanto a pedir uma opinião ao médico ela receia que ele não goste pois, o mais provável será ele perguntar-me o porquê da minha dúvida. Teria de lhe dizer o porquê e aí ele pode-me dizer:
 - Se não confia em mim vá para a Prelada! 
Aqui em casa outra confusão! O meu marido vê as coisas de outra maneira. Ele pensa que eu complico muito as coisas. Por ele eu perguntava ao médico do I.P.O. e pronto. Se ele não me observou não pode afirmar o que disse e tem mais é que me tirar as dúvidas e ainda eu não tenho que lhe dizer o porquê das minhas dúvidas.
Eu não consigo ver as coisas por este ponto de vista e acabamos por entrar em conflito ao ponto de eu não conseguir discutir o assunto.
Não consigo perceber se ele está com a razão ou se sou eu. Como estou tão confusa, anciosa e  nervosa tenho receio de não estar a ser coerente. Estarei errada?
E agora o que faço? Tenho medo de optar pela cirurgia errada.
Mas e se ficar à espera e depois o I.P.O. acabe por fazer a reconstrução pelo expansor?
Vou pedir uma terceira opinião mas agora a um médico de Plástica. Vou ver o que ele me diz. Tenho de tirar esta duvida da minha cabeça o mais rápido possivel pois o médico da Prelada disse-me que eu em breve vou ser chamada para colocar o expansor.
A minha cabeça está a dar um nó! Estou farta disto tudo, se não tivesse tido cancro não estaria a passar por isto tudo. Estou farta de ser forte, de viver assim, estou cansada...