quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Vamos ajudar por favor

Vamos ajudar o Gustavo
Por Nuno Perestrelo

Onda de solidariedade para ajudar a salvar filho de Carlos Martins. Saiba como um pequeno gesto seu pode aliviar tanta dor.

Ninguém ficou indiferente ao drama que vive Carlos Martins. O filho Gustavo, com apenas três anos, sofre de aplasia medular, uma doença rara que só pode ser curada se for encontrado um dador de medula que seja compatível com o menino.

«Já fizemos o teste em Espanha, infelizmente ninguém da família é compatível. Quanto mais pessoas doarem, mais possibilidades têm o meu filho e outras pessoas de se salvar. Às vezes desleixamo-nos mas é uma tarefa tão simples e pode salvar vidas...», apelou o agora jogador do Granada, que já vestiu as camisolas de Sporting e Benfica e é internacional por Portugal, aos microfones da TVI.

A onda de solidariedade que corre as redes sociais. No Facebook foi criado o grupo Vamos ajudar o Gustavo, onde estão todas as informações sobre o caso, que se tornou público depois do final da partida com a Bósnia, altura em que os médicos explicaram aos jogadores da Selecção o drama do companheiro, o que os levou a apelar aos portugueses para doarem medula óssea.

Ontem, os apelos multiplicaram-se um pouco por todo o lado. Só encontrando um dador compatível será possível salvar Gustavo. João Paulo Almeida, médico do Benfica, explicou que a situação é «preocupante» e «bastante grave». Gustavo precisa de um dador e com «urgência». A doença faz com que a medula óssea do pequeno Gustavo deixe de produzir componentes sanguíneos necessários ao organismo.

Quem se inscreve como dador de medula óssea tem apenas de tirar uma amostra de sangue para verificar a compatibilidade com os casos existentes. Se não for compatível, poderá ser chamado quando, no futuro, surgir um doente que necessite da sua medula óssea.

Os dados ficam arquivados em base de dados internacional, pelo que a salvação de Gustavo e de todos os doentes pode estar em qualquer local do planeta. É essa a razão pela qual se torna tão importante que toda a gente se ofereça para ser dador.

Conheça agora as perguntas e respostas sobre a doação de medula óssea

O que é a medula óssea?
A medula óssea é um tecido de consistência mole que preenche o interior dos ossos longos e as cavidades esponjosas de ossos, como por exemplo os da bacia.
É nesse tecido que existem células progenitoras, ou seja, com capacidade para se diferenciarem e dar origem a qualquer célula do sangue periférico. São as chamadas stem cell ou células progenitoras/estaminais, em português. Estas células renovam-se frequentemente, mantendo um número relativamente constante.
Como posso ser dador de medula óssea?
Se tem entre 18 e 45 anos, pelo menos 50 kg de peso, não é portador de doenças crónicas ou auto imunes e não recebeu uma transfusão de sangue desde 1980.
Como se processa a colheita de células de transplantação óssea?
Existem dois processos de colheita de células para transplantação de medula:
- Colheita a partir da medula óssea - Células progenitoras colhidas do interior dos ossos pélvicos. Requer geralmente anestesia geral e uma breve hospitalização;
- Colheita de células progenitoras periféricas - Colheita feita no sangue periférico, geralmente a partir de uma veia do braço,
Qual a probabilidade de encontrar um dador compatível?
80 por cento de todos os doentes têm, pelo menos, um potencial dador compatível, só que nem todos os doentes para os quais foi identificado um dador idêntico chegam à fase do transplante.
Pode um dador desistir do processo após saber que é compatível com um doente?
Como voluntário o dador não tem nenhuma obrigação legal. Contudo, uma decisão tardia relativamente à desistência pode ter riscos muito graves para o doente. Uma mudança de atitude no final do processo pode ser fatal para um doente que está a fazer preparação para o transplante.
Quem paga o processo da doação?
Todos os procedimentos médicos que envolvem a doação são cobertos pelo subsistema de saúde do doente.
Só se pode dar medula uma vez?
Não, a medula é um tecido que se regenera rapidamente, pelo que é possível fazer mais do que uma dádiva.


Eu na minha escola estou a sensibilizar as pessoas para serem dadores de medula.
Através deste blog peço a todas as pessoas que o lêem e, que reúnam as condições para serem dadores de medula que o façam. Hoje é esta criança amanhã não sabemos....
Por favor como mãe que sou vos peço isto com muito carinho.
Beijinhos e obrigada