quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Recordações e preocupações


Esta época do ano traz-me muitas recordações tristes! Primeiro porque é uma altura em que a família se reúne toda e eu sinto a falta do meu pai. Depois porque fez um ano no dia 27 de eu dei entrada no hospital para fazer a minha mastectomia. Nesta altura eu estava muito mal no hospital. Não aceitei a minha triste situação e entrei numa depressão profunda grave. Tentava arranjar forças e não consegui! Só com a ajuda da psiquiatria e dos milagrosos anti-depressivos é que eu aos poucos me fui levantando. Os amigos também ajudaram muito sobretudo as meninas do gang da mama e do eu e o cancro. Hoje estou um pouco melhor, já consigo olhar para mim, ver-me ao espelho. Aprendi a viver nesta situação mas, confesso que estou a começar a ficar cansada. Quero vestir algumas roupa e não posso pois a prótese fica à vista. Tenho sempre que ter cuidado. Estou farta, farta, farta e a reconstrução não à meio de chegar. Começo ... nem sei o que dizer.
Como se isto não bastasse ando com uma preocupação. Ultimamente tenho uma sensação estranha que até se torna difícil de explicar. Tenho a sensação de faço mal as digestões, fico como se tivesse comido imenso depois quero "arrotar" e não consigo fico com vontade de vomitar, puxo o vomito e só sai espuma. Outras vezes passo a vida a "arrotar". Sinto uma sensação estranha na garganta. Passo a vida a engolir e essa sensação não desaparece. Tenho comentado este problemas com pessoas amigas que me dizem que pode ser do fígado, da vesícula ou do estômago. Começo a pensar no pior!
Já andei a pesquisar na net  os sintomas de cancro nestes três órgãos. Passa-me tudo pela cabeça e o medo de voltar a passar pelo mesmo é terrível.
Caramba eu mereço paz! Sei que não  vou conseguir e que vou viver o resto dos meus dias sempre cheia de medo.
Outro problema que tenho é a nível das minhas ações (atos). Ando muito esquecida, faço asneiras que não era normal fazer!
Se estou a colocar a mesa e me esqueço de um prato, vou para trás buscar mas, sou capaz de ir parar à casa de banho, ou então passo a vida a andar para trás e para a frente para me tentar lembrar do que queria. Às vezes estou a escrever e esqueço-me de como se escreve sobretudo se forem verbos.
Que coisa estranha não pareço EU!
Como no dia 21 fui à psiquiatra falei com ela sobre este problema. Ela disse-me que era normal eu estar assim. Primeiro devido ao meu estado depressivo e depois por causa da quimio. Bonito!!!
Era só o que me faltava então e agora?
Vou tomar umas vitaminas o Acutil e ela diz que fazer caminha também faz bem à cabeça!!
No Natal estive com um ataque de sinusite! Cheia de dores de cabeça pois o nariz estava sempre entupido.
Como vêem tudo a ajudar!!!
 Amanhã vou à médica de familia e vou falar-lhe deste meus problemas e pedir-lhe um P1 para o Hospital da Prelada para a minha reconstrução. Quem me chamar 1º eu vou.
No I.P.O. não vejo jeito. Uma colega guerreira do grupo eu e o cancro faz um ano em janeiro que entrou para a lista de espera. Recebeu do i.p.o. um vale para fazer a reconstrução noutros hospitais ( Braga, Guimarães e outro que não me recordo). Ela desistiu e voltou para a lista de espera.
Agora vejam só se ela de janeiro não foi operada imaginem eu que só entrei para a lista em julho. E se houverem mais pessoas como ela a desistirem? Imaginem.
Enfim tudo a ajudar...

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

All I Want For Christmas Is You (SuperFestive!) (Shazam V...

Tenham todos um ....

Beijinhos


Desta vez doeu!

 
No passado dia 16 fui levar a oitava injeção de hormonoterapia. Desta fez fui descontraída! Ia sempre cheia de medo, nervosa e nada relaxada mas o certo é que a injeção nunca me doía por isso desta fez fui relaxada super descontraída.  Disse mal da minha vida amigas. A enfermeira chamou-me, perguntou-me se estava tudo bem e encaminhou-me para a sala habitual de hormonoterapia. Deite-me,ela aplicou-me a anestesia e segundos depois estava a picar-me. Amigas vi estrelas por todos os lados. Uma dor que até ela ficou admirada. Justificou-se dizendo que provavelmente tinha atingido uma terminação nervosa. Pois ,pois la foi é muito rápida nem deixou a anestesia fazer efeito por isso tive tantas dores. Para a próxima não me apanham! Descontraída não vou mais e depois não me vão picar tão rápido. Devagar porque quem paga sou eu! Quem sofre sou eu!


sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

domingo, 4 de dezembro de 2011

outra história da minha escola que me deixa com os cabelos no ar

Quando soube da história do jogador Carlos Martins, que o filho dele tinha leucemia as lágrimas começaram a rolar-me pela cara, e fiquei com o coração tão, tão apertado que nem imaginam. Eu tenho dois filhos que são a minha vida e o meu menino tem precisamente a idade do dele. Chorei e senti a dor deles como se fosse minha.
Podem pensar que estou a exagerar mas acreditem não é exagero nenhum. Vim almoçar a casa e estive a ver a entrevista no programa da Praça da Alegria. Fiquei triste o dia inteiro.
Saí de casa para levar os meus filhotes novamente à escola e já tinha um plano na cabeça.
Cheguei à escola deixei os meus filhotes nas suas salas e fui ter com as minhas colegas. Fiz-lhes o apelo para fazerem a recolha de sangue para se tornarem dadoras de medula. Muitas delas aceitaram eu diria mesmo todas aceitaram. Fui então ter com a com a coordenadora da escola perguntar se podia falar com as colegas das outras escolas. Ela respondeu-me que não havia qualquer problema. Mas eu ainda fiz melhor, liguei para a sede do meu agrupamento para falar com o coordenador do 1º ciclo. Consegui falar com ele e como sempre ficou de me dar resposta pois, ia falar primeiro com a nossa directora. Os dias foram passando e resposta nada! Claro estavam mais interessados com a inspecção. Passado uns dias perguntei à minha coordenadora se já tinha resposta para mim ao qual ela me respondeu que não mas, que iam ter uma reunião, para eu colocar num papel  o que pretendia para ela falar. Assim fiz mas acrescentei mais uma pergunta. Pensei que seria também vantajoso se alargassemos à comunidade educativa, isto é aos encarregados de educação. Quantos mais melhor pensei eu!
No dia seguinte perguntei se já havia resposta. Havia mas, este pedido tinha agora de passar por uma pessoa no agrupamento ligada com a área da saúde. Os dias foram passando e até agora nada. Na passada quinta- feira voltei à carga. Voltei a perguntar em que ponto da situação estávamos. A coordenadora respondeu-me que este pedido agora tinha de ir a uma reunião de pedagógico para ser aprovado. Vocês vejam só!!!!
Na sexta-feira estava eu na escola a ajudar as colegas quando para meu espanto, vejo duas pessoas a entrar na escola. Estavam a fazer uma campanha de solidariedade pedindo roupas usadas ( pedido ao qual eu não sou contra) mas em troca estavam a fazer publicidade a um detergente entregando ao mesmo tempo, panfletos de desconto na compra do dito detergente. Eu achei aquilo demais e indignada perguntei se essa campanha de solidariedade que até envolvia publicidade tinha sido também aprovada em pedagógico. É claro que eu já sabia a resposta pois, a reunião de pedagógico vai acontecer ainda no dia 13.
Ou seja para ajudar no sofrimento de uma criança ou de outras, para dar esperança de vida a alguém, para parar com os agressivos tratamentos a que são sujeitos até arranjarem dador compatível é preciso quase pedir de joelhos. Os outros que fazem campanha e publicidade ao que pretendem não necessitam de fazer nada é só entrar e pronto objectivo conseguido.
Agora reparem, a reunião é no dia 13, dia 17 inicia a primeira interrupção lectiva o que quer dizer que este pedido vai ficar adiado para o mês de janeiro isto com muita sorte. E agora diga-me lá não é de eu ficar FURIOSA.
 Será que ninguém pensa que isto pode acontecer a um de nós e nessa altura também gostavam  de ter ajuda?
Juro-vos eu às vezes apetecia-me ... nem sei o que vos dizer sinceramente

sábado, 3 de dezembro de 2011

Indignada, areliada e o pior de tudo super, hiper,mega nervosa

Como sabem eu continuo de Junta médica porque esta achou por bem eu ficar  mais um tempo em casa embora eu não seja obrigada a ficar no domicílio. Posso sair pois não tenho impedimento por parte médica até pelo contratrio os médicos, aconcelham-me a sair devido à minha depressão profunda grave.
Ora assim sendo eu de manhã preparo os meus filhotes e levo-os à escola. Depois acabo por lá ficar a ajudar no que for preciso. Ajudei na parte da coordenação da escola e agora neste momento estava a ajudar algumas colegas dando apoio a alunos com dificuldades. Preparava os cadernos com actividades e exercícios para fazerem consultando e pedindo sempre a opinião à colega da turma. No fundo eu estava a ser uma mais valia para a escola pois sempre era mais uma professora a ajudar. 
Vim a constatar que havia certas colegas que pensavam que eu estava a competir com elas. Não as colegas a quem eu estava a dar ajuda, mas sim as colegas do apoio.  Perante isto falei com o meu coordenador de 1º ciclo na passada sexta-feira sobre o apoio que estava a dar. Ele agradeceu-me mas disse-me que ia pensar no assunto, depois  dava-me uma resposta.
Hoje recebi a resposta que passou a ser a seguinte: vou parar com o apoio porque pode existir algum pai que vá reclamar ao agrupamento o porquê eu estar de atestado e estar a dar apoio a uns alunos e a outros não. Que posso com isto arranjar um processo disciplinar e ter de devolver dinheiro!!!! Mas porquê pergunto eu? A mim ninguém me está a pagar mais do que aquilo a que eu tenho direito por ser doente oncológica. Ninguém me está a pagar subsidio de refeição! Eu como já disse não tenho de ter permanencia no domicilio. Podia ir pintar para a rua ou pintar paredes que ninguém tinha nada haver com isso desde que eu não estivesse a receber dinheiro  por tais prestimos o que é o caso.
Fiquei pior que estragada! Só se preocupam com o que não devem! Será que eu estou a fazer algo de errado? Ninguém se preocupa com os alunos eles agora são meros acessórios. Só se preocupam com projectos, papéis e mais papéis, estatísticas, inspecções para obterem o maior número de cotas para as avaliações e para não perderem o lugar de chefia que têm neste momento. Pois se a avaliação da inspecção este ano não for positiva vamos para mega agrupamento e a minha directora que estava no cargo à uma porrada de anos pode perder o poder. Isto sim é que é importante! Agora se os alunos sabem ou não a matéria, se precisam de ajuda para ultrapassarem as dificuldades isso não importa!!!
E os pais outras lindas peças. Vocês acreditam que esta semana foi lá um pai à escola fora do horário de atendimento pedir à professora para esta o atender pois precisava de falar com ela à cerca do filho. Ela fez-lhe o favor de o atender. Pois ele depois de sair da escola foi ao agrupamento dizer que a professora atende uns pais e outros não fora do horário de atendimento. É preciso ter lata! E o que mais enerva ainda é que a presidente ainda lhe deu ouvidos. Se fosse comigo eu dava-lhe uma corrida que ele nunca mais voltava e se fosse a professora chamava-o à escola e dizia-lhe poucas e boas. O problema nisto tudo é que todas pessoas têm medo e eles pensam que podem fazer de nós aquilo que querem e lhes apetece. Isto tudo é ou não é revoltante!!!!! Bem disse o meu marido  que eu no fim ia receber a medalha de cortiça. Pois assim foi!

Vejam só o trabalho que eu tinha pois eram alunos de vários niveis de ensino, levava bastante tempo a procurar materiais para eles, imprimia em casa, a cores, com as minhas folhas e ainda plastificava os materiares isto tudo para ver se os cativava e entusiasmava para o estudo






Até encadernei os cadernos!




Trabalhos de 4ªº ano de escolaridade


Trabalhos de 1º ano de escolaridade

















Ainda faltam aqui cadernos de 2º ano de escolaridade e de um aluno com um défice cognitivo muito grande que está a nivel da pré-escola.


Enfim!!!!!!

Mas hà mais depois eu conto.